Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Músicas recentes:
Veja as músicas que já tocaram por aqui.

UTI: ocupação na rede pública estabiliza - Serra dos Cristais

Fale conosco via Whatsapp: +55 61 3612-2929

No comando: Programação Religiosa

Das 00H00 às 05H00

No comando: Raiz Sertaneja 1ª Edição

Das 05:00 às 07:00

No comando: Conexão 89

Das 07:00 às 12:00

No comando: Viagem Musical

Das 12:00 às 14:00

No comando: Ritmo 89

Das 14:00 às 17:00

No comando: Raiz Sertaneja 2ª Edição

Das 17H00 às 20H00

No comando: 1 hora sem intervalo

Das 20H00 às 21H00

No comando: Companhia Musical Especial de Sábado

Das 21H00 às 00H00

No comando: A voz do Brasil

Das 21H00 às 22H00

No comando: Vida em Foco

Das 22H00 às 00H00

UTI: ocupação na rede pública estabiliza

Nesta sexta-feira (14), a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está em 79,67% nos hospitais públicos do DF. Isso porque noventa e quatro leitos estão vagos, de acordo com a última atualização do InfoSaúde-DF, feita às 08h25.

A situação nos hospitais particulares é um pouco mais apertada, mas segue na estabilidade. A taxa de ocupação dos leitos de UTI gerais está em 89,11%. As UTIs Covid-19 permanecem com 89,02%. Vinte e nove leitos estão disponíveis, todos para pacientes adultos.

Lista de Espera

Até o momento da publicação desta reportagem, 123 pacientes aguardam leito de UTI na capital. Desse total, 35 são pessoas com suspeita ou confirmação de Covid-19.

Covid-19 no DF

O Distrito Federal (DF) registrou, nas últimas 24 horas, 939 novos diagnósticos de Covid-19 e 34 mortes. Desde o início da pandemia, 389.178 pessoas já foram infectadas na capital, sendo que 96% (374.489) deste número estão recuperados. Do total de casos, 8.251 (2,1%) faleceram em decorrência de complicações causadas pelo vírus.

As regiões com mais casos confirmados são Ceilândia (43.237), Plano Piloto (37.172) e Taguatinga (31.287). A maior taxa de mortalidade foi registrada em Sobradinho I, onde, dos 14.884 casos, 375 vieram a óbito, ou seja, 2,5%. Taguatinga tem a segunda maior taxa de mortalidade, com 31.287 casos, 820 morreram, sendo assim, 2,6%.

Os dados ainda mostram que, do total de mortes, 695 não eram residentes da capital, sendo, 599 de Goiás (entorno), um do Acre, dois do Amapá, vinte e sete do Amazonas, dez da Bahia, dois do Maranhão, seis do Mato Grosso, vinte e seis de Minas Gerais, um do Piauí, três do Rio de Janeiro, três de Rondônia, sete de Roraima, um de Santa Catarina, cinco de São Paulo e dois do Tocantins.

Fonte: JBr

Deixe seu comentário: