Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Sobe para 25 o nº de mortos em chuvas torrenciais na China - Serra dos Cristais

Fale conosco via Whatsapp: +55 61 3612-2929

No comando: Programação Religiosa

Das 00H00 às 04H00

No comando: Raiz Sertaneja 1ª Edição

Das 04:00 às 07:00

No comando: Conexão 89

Das 07:00 às 12:00

No comando: Viagem Musical

Das 12:00 às 14:00

No comando: Ritmo 89

Das 14:00 às 17:00

No comando: Raiz Sertaneja 2ª Edição

Das 17H00 às 19H00

No comando: A voz do Brasil

Das 19H00 às 20H00

No comando: 1 hora sem intervalo

Das 20H00 às 21H00

No comando: Companhia Musical Especial de Sábado

Das 21H00 às 00H00

No comando: Companhia Musical

Das 21H00 às 00H00

Sobe para 25 o nº de mortos em chuvas torrenciais na China

Ao menos 25 pessoas morreram na China, 12 delas no metrô de Zhengzhou, devido às chuvas torrenciais que autoridades meteorológicas do país dizem ser as mais fortes em mil anos.

Ainda há sete desaparecidos, segundo balanço divulgado nesta quarta-feira (21), e autoridades dizem que mais de 500 pessoas foram resgatadas da linha de metrô que inundou.

Imagens publicadas em redes sociais mostram os passageiros imersos dentro dos vagões, com a água na altura do peito, e estações que viraram rios.

Um passageiro contou na rede social Weibo que equipes de emergência abriram o teto do vagão para retirar, um a um, os passageiros. Outras imagens mostram uma pessoa sentada no teto de um vagão parcialmente submerso dentro de um túnel.

Entre os 25 mortos estão quatro pessoas na cidade de Gongyi, que fica às margens do Rio Amarelo e é vizinha de Zhengzhou, após o colapso generalizado de casas e prédios por causa das chuvas.

Em Luoyang, uma cidade de sete milhões de habitantes, uma fenda de 20 metros aberta na barragem de Yihetan “pode romper a qualquer momento”, segundo o exército.

Os militares estão organizando uma operação de emergência que inclui o uso de dinamite e desviar a água para evitar uma catástrofe.

As chuvas assolam Henan desde sábado (17) e mais água é esperada até sexta-feira (23). Nos últimos quatro dias, choveu o esperado para um ano inteiro em Zhengzhou.

Quase 200 mil evacuados

Quase 200 mil pessoas foram evacuadas da cidade, que fica a 700 km a sudoeste de Pequim e tem cerca de 12 milhões de habitantes (população similar à de São Paulo).

Escolas e hospitais foram esvaziados. O maior hospital da cidade, que tem mais de 7 mil leitos, ficou sem energia e cerca de 600 pacientes em estado crítico tiveram de ser transferidos.

O transporte ferroviário e rodoviário foi interrompido na cidade, e pessoas atingidas pelas enchentes se abrigaram em bibliotecas, cinemas e até museus.

“Temos até 200 pessoas de todas as idades procurando abrigo temporário”, disse um funcionário do Museu de Ciência e Tecnologia de Zhengzhou. “Fornecemos macarrão instantâneo e água quente para eles, que passaram a noite em uma enorme sala de reuniões.”

Ferrovias e rodovias também foram fechadas em outras partes da província, que tem cerca de 100 milhões de habitantes e é um importante centro logístico da China. Voos foram atrasados ​​e/ou cancelados.

A província vizinha de Hebei emitiu um alerta de tempestade para algumas cidades, incluindo a capital Shijiazhuang, alertando sobre a possibilidade de chuva moderada a forte nesta quarta.

1 ano de chuva em 4 dias

Pessoas tentam atravessar ruas alagadas após forte chuva em Zhengzhou, capital da província de Henan, na China, na terça-feira (20) — Foto: Chinatopix via AP

Pessoas tentam atravessar ruas alagadas após forte chuva em Zhengzhou, capital da província de Henan, na China, na terça-feira (20) — Foto: Chinatopix via AP

Mais de 617 milímetros de chuva caíram entre sábado (17) e terça-feira (20) em Zhengzhou, quase o equivalente à sua média anual de 640 milímetros, e os quatro dias de chuva corresponderam a um nível visto apenas “uma vez em mil anos”, segundo meteorologistas.

As chuvas torrenciais na China ocorrem dias após mais de 190 pessoas morrerem na Europa devido a inundações e a ondas de calor nos Estados Unidos e no Canadá.

“Esses eventos climáticos extremos provavelmente se tornarão mais frequentes no futuro”, afirmou Johnny Chan, professor de ciência atmosférica na City University de Hong Kong. “O que é preciso é que os governos desenvolvam estratégias para se adaptar a tais mudanças”.

“Os esforços de prevenção de enchentes se tornaram muito difíceis”, afirmou o presidente chinês, Xi Jinping, em comunicado transmitido pela televisão estatal.

Fonte: G1

Deixe seu comentário: