Pedido de Música

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Força-tarefa para prender Lázaro entra no 16º dia e conta com imagens de satélite e drones com visão térmica - Serra dos Cristais

Força-tarefa para prender Lázaro entra no 16º dia e conta com imagens de satélite e drones com visão térmica

A força-tarefa que tenta prender Lázaro Barbosa entra no 16º dia. Para conseguir localizar o suspeito de cinco mortes, as equipes usam imagens de satélite e drones que conseguem registrar movimentação a 250 metros de distância e, inclusive, a noite. Cerca de 270 policiais de diferentes forças de segurança participam dessa operação, que está concentrada em Girassol, distrito de Cocalzinho de Goiás.

Os drones são usados após moradores denunciarem que viram alguma movimentação em determinada região na área de buscas. O tempo para se chegar ao local e o terreno, com grutas e cavernas, podem ser fatores que dificultam o trabalho com esse equipamento.

A Polícia Federal também instalou equipamentos que aumentam a distância do sinal de rádio das equipes. Agora, o raio de comunicação é de 35 km.

Imagem térmica de drone exemplifica como é feito o registro de pessoas pelo calor do corpo — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Imagem térmica de drone exemplifica como é feito o registro de pessoas pelo calor do corpo — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

A força-tarefa também segue com várias barreiras em estradas de terra e rodovias nas regiões de Cocalzinho e Águas Lindas de Goiás.

A SSP-GO disponibilizou um aplicativo para que moradores da região possam fazer denúncias e alertas. Para evitar trotes, apenas pessoas em um raio de 100 km da área de busca podem enviar os pedidos de socorro. Além disso, há um disque denúncia para reforçar as buscas pelo criminoso. Quem tiver informações relevantes pode encaminhar para o telefone (61) 9 9839-5284.

Além de policiais e bombeiros, a caçada conta ainda com rádios comunicadores que têm um alcance de até 30km, drones equipados com sensores de movimento que estão sendo usados em áreas onde o sobrevoo de helicóptero é mais arriscado, e cães farejadores, inclusive uma cadela que atuou nas buscas por vítimas na tragédia de Brumadinho.

Base de comando da operação para prender Lázaro Barbosa em Cocalzinho de Goiás — Foto: Eduardo Marins/TV Anhanguera

Base de comando da operação para prender Lázaro Barbosa em Cocalzinho de Goiás — Foto: Eduardo Marins/TV Anhanguera

Cronologia da fuga

  • 9 de junho : Lázaro invadiu uma chácara no Incra 9, em Ceilândia (DF), onde matou a tiros e a facadas um casal e dois filhos. Roubou a chácara após o assassinato da família. Ele teria rendido o caseiro, o dono da propriedade e a filha dele;
  • 11 de junho: Lázaro fugiu para Cocalzinho de Goiás logo em seguida.
  • 12 de junho: Ele atirou em quatro pessoas, invadiu fazendas e colocou fogo em uma casa ao fugir da polícia. Os feridos foram levados a hospitais da região, sendo que dois estavam em estado grave até sábado (19).
Fotos de Lázaro Barbosa divulgadas pela Polícia Civil — Foto: Montagem G1

Fotos de Lázaro Barbosa divulgadas pela Polícia Civil — Foto: Montagem G1

  • 13 de junho: Furtou um carro e o abandonou na BR-070 após avistar uma barreira policial, dando sequência à fuga para uma mata.
  • 14 de junho: Caseiro de Cocalzinho de Goiás disse à polícia que atirou em Lázaro Barbosa após ele falar que ia entrar na casa. Chacareiro relatou que ele fugiu depois de ser atingido. Lázaro foi filmado no curral de uma fazenda entre os distritos de Edilândia e Girassol. A polícia acredita que ele passou a noite no local. O caseiro diz que o homem pediu comida e em seguida fugiu para a mata;
  • 15 de junho: Dois policiais militares de Goiás foram baleados durante buscas do suspeito. Delegado diz que Lázaro fez casal e adolescente reféns em Edilândia. Uma parente da família relatou os momentos de pânico;
  • 16 de junho: Lázaro Barbosa foi visto por um morador em uma área rural.
  • 17 de junho: a polícia retomou as buscas em matas da região e mudou a base de operação pela segunda vez. Houve nova troca de tiros e secretário de segurança pública acredita que ele esteja ferido;
  • 18 de junho: durante buscas o secretário de segurança pública disse que acredita ter visto Lázaro. Segundo PRF, ele foi visto em um chiqueiro durante a tarde, mas fugiu novamente para vegetação;
  • 19 de junho: a houve uma grande movimentação de policiais na região de Águas Lindas, depois que um morador afirmou ter visto Lázaro em uma gruta da região. No mesmo dia, a cadela que atuou nas buscas pelas vítimas da tragédia de Brumadinho chegou a Cocalzinho de Goiás;
  • 20 de junho: as buscas por ele foram intensificadas por policiais civis, militares e federais. Foram usadas três aeronaves e cinco cães farejadores na caçada.
  • 21 de junho: Pela manhã uma moradora denunciou que viu um homem, parecido com o fugitivo, passar por uma propriedade rural. Policiais e bombeiros com cães farejadores acompanharam a mulher para fazer uma verificação na área. Militares de vários batalhões vasculharam casas rurais em busca de pistas e rastros que Lázaro possa ter deixado;
  • 22 de junho: policiais retomam buscas por Lázaro e recebem rádios comunicados do Exército Brasileiro com alcance de 30km. Pela manhã, equipes periciaram um carro que foi encontrado queimado e, à tarde, um lençol e um serrote, que foram encontrados em um local onde o criminoso pode ter se abrigado, em Águas Lindas de Goiás. À noite, um novo cerco foi montado após troca de tiros entre fazendeiro e suposto invasor.
  • 23 de junho: a SSP disponibilizou um aplicativo para que moradores em uma área de 100 km de distância da região de busca possam fazer denúncias ou pedidos de ajuda. Equipes fizeram buscas em áreas de chácara, mas não conseguiram localizar pistas do fugitivo.
Veja percurso feito por Lázaro Barbosa de Sousa após matar família no DF — Foto: Arte/G1

Fonte: G1

Deixe seu comentário:

© Direitos reservados - Rádio Serra dos Cristais